Instituições desejam ampliar alternativas de tratamento para pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica

*Texto de Anne Caroline Bomfim

O Instituto Dr. Hemerson Casado recebeu, na última terça-feira (22), em Maceió, a visita de uma multinacional farmacêutica de origem japonesa. As instituições discutiram a possibilidade de desenvolver e fabricar novos fármacos para doenças raras.

Executivos da Daiichi-Sankyo, que se dedica à criação e fornecimento de produtos e serviços médicos em quase 60 países, desembarcaram na capital alagoana para conhecer o trabalho da instituição.

O encontro contou com a presença do cirurgião cardiovascular e presidente do instituto que leva o seu nome, Hemerson Casado. A companhia esteve representada por Allyson Nakamoto, diretor de Oncologia e Acesso ao Mercado; Thiago Patriarcha e Tiago Fontoura, do departamento de Relações Institucionais.

Executivo de multinacional fica curioso e conhece software de comunicação que Casado usa para se comunicar

De acordo com Hemerson Casado, um dos medicamentos que foram propostos para a nacionalização já é comercializado na América do Norte, Ásia e Oceania e pode ser uma excelente opção para a substituição do Riluzol, ou uso associado. Atualmente, ele é a única alternativa para que tem a Esclerose Lateral Amiotrófica.

INVESTIMENTOS EM ALAGOAS

Os executivos também conversaram sobre a realização de investimentos nas áreas de pesquisa, tecnologia e saúde em Alagoas.

“Estamos extremamente honrados pelo reconhecimento de uma empresa tão respeitada. O Instituto se coloca à disposição para contribuir com o que for necessário. Temos muito trabalho pela frente. A união faz a força”, encerrou Casado.